Fundação João Fernandes da Cunha - Eventos Culturais, Biblioteca, Centro turístico - Salvador Bahia
contatos
Tel: (71) 3329-1016
(71) 3328-0522
Fax: (71) 3328-3168
e-mail: fundjfc@hotmail.com / fundbibli@hotmail.com
Fundação João Fernandes da Cunha

Fundação
João Fernandes da Cunha

Fundação João Fernandes da Cunha - Biblioteca

conheça aBiblioteca João Fernandes da Cunha

Fundação João Fernandes da Cunha - Visita

venha nos visitarFundação João Fernandes da Cunha

rss fundação joão fernandes da cunha

/ Artigos

Postada em: 2/2/2018 17:24:06

O poder da palavra "golpe"

Por Francisco Viana.

 

Lula foi condenado no último dia 24 e não houve grandes protestos por parte da população, mas uma coisa é certa: eleições sem Lula não valem.

Além de liderar as pesquisas de intenção de voto, ele é uma liderança de expressão internacional ou, como disse Bono Vox, vocalista da influente banda U2, em vídeo no Youtube, “um tesouro global”.

Eleição sem Lula é golpe, repete a oposição. Essa palavrinha “golpe” é mais poderosa do que a vã filosofia possa imaginar. Repetida várias vezes, soa como uma figura de retórica que pode ser definida como um anacenose, ou seja,  soa como um apelo à indignação, deixa claro o quanto é intenso o perigo golpista. Historicamente a anacenose foi o famoso recurso retórico utilizado por Churchill (“sangue, suor e lágrimas”) para mobilizar a Inglaterra contra os nazistas. Churchill, por sua vez, foi buscar inspiração em Cícero (44 a.C.), Tito Lívio (29 a.C.), John Donne (1611), Lord Byron (1823) e Theodore Roosevelt (1897). Deu certo. Os ingleses lutaram até a vitória.

“Golpe” para os leigos e amadores pode parecer uma ingenuidade radical ou, como diria Lenin, uma “doença infantil” do radicalismo. Não é. Encarna a memória da ausência de democracia no Brasil que se materializou com o golpe militar-civil de 1964. É um recurso de comunicação muito vigoroso que desperta emoção e leva as pessoas a acreditar que há um golpe em marcha.

Assim, é que a eleição sem Lula passará a ser vista e percebida, tanto nacional como internacionalmente. À anacenose se soma uma outra figura de retórica a anáfora, que é a repetição em sentenças sucessivas da ameaça às elites e seu anacronismo.

Consequentemente, é importante que se veja que a comunicação do PT está longe de ser o]ingênua, radical ou amadora. É sim, sofisticada e tem objetivos. O problema está na estratégia eleitoral petista. Será uma frente de esquerda? Será uma frente ampla incluindo as forças liberais? Incluirá algum tipo de autocrítica?

A tradição brasileira ensina que quando os liberais são deixados de lado as coisas caminham em terreno pantanoso e não dão certo. Basta ver o que aconteceu com o presidente constitucional João Goulart. Agora com o Brasil nas mãos dos conservadores – designação elegante que é sinônimo de direita –, seria saudável para a democracia se Lula disputasse a presidência. Isso porque seu julgamento deve transbordar do terreno jurídico para o terreno político. Sua reputação junto aos mais pobre, como a de Getúlio Vargas, tem razões para existir.

O que acontecerá se ele ficar de fora do pleito? Certamente, haverá grande frustração popular. Há risco de uma guerra civil? É cedo para dizer, como é cedo para prever como o eleitor de Lula reagirá. Porém, um fato parece certo: sem Lula as futuras eleições não terão graça ou no mínimo soarão como se fosse um golpe.

* Francisco Viana é jornalista e doutor em Filosofia Política (PUC-São Paulo)

 

 

 

Criação de Sites - Allan Carvalho
Fundação João Fernandes da Cunha
Largo do Campo Grande n° 8 – Campo Grande – CEP 40.080-121 – Salvador – Bahia – Brasil
Telefone: (71) 3328-0522 – 3329-1016 / Fax: (71) 3328-3168
E-mail: fundjfc@hotmail.com / fundbibli@hotmail.com